PENSANDO EM UMA PICAPE? A GENTE ORIENTA VOCÊ COM TODA NOSSA BAGAGEM.

Pensando em uma picape? A gente orienta você para fazer o melhor negócio e não se arrepender depois. Pra começar, leve em consideração o tipo de carga e se os modelos mais em conta realmente são os ideais para o que você quer. Por exemplo: os modelos a diesel são mais caros, mas trazem vantagens sobre os outros combustíveis. Seja para trabalho ou para transportes ocasionais, prepare-se para ser sempre lembrado por amigos e parentes e se transformar no transportador oficial da família. Ou seja, ter a versatilidade do campo e cidade. Confira algumas análises preliminares que vão ajudar muito na escolha:

  • Tamanho da caçamba
  • Caçamba aberta ou fechada?
  • Motor a diesel x outros combustíveis
  • Se quer gastar menos, motor flex
  • Modelo menor, maior cuidado com acessórios
  •  Picape usada, cuidados extras
  • Considere o valor do seguro 
  • Confira nas redes sociais a opinião de outros consumidores
  • Atenção com os kits de manutenção

Tamanho da caçamba.
As picapes pequenas carregam até 500 kg, enquanto as médias possuem o dobro da capacidade, 1.000 kg. Não se esqueça de colocar um protetor de caçamba: materiais duros e pontiagudos podem tirar a tinta e dar início a pontos de ferrugem, o que depreciará bem o seu carro no momento da revenda.

Caçamba aberta ou fechada?

Depende do produto que você quer transportar. A capota marítima reduz a capacidade da caçamba, porque é instalada na altura das laterais. Já se você quer transportar grandes volumes e precisa se abrigar da chuva, o ideal são as capotas de fibra. Disponíveis em lojas de acessórios, contam com diversos modelos (com janela ou sem, escotilha no teto, porta-escadas). Uma boa pesquisa na internet ajuda você a encontrar a opção ideal.

Motor a diesel?

Esta opção exige mais investimento inicial, mas compensa por ser eficiente, principalmente para quem deseja o uso comercial.  Mais econômico e mais robusto, suporta melhor uma jornada pesada de trabalho. 

Economia? Motor Flex!
Quem deseja uma picape média com valor menor, os motores flex ou a gasolina custam cerca de R$ 20 mil a menos em relação aos modelos a diesel. O custo menor não é só por causa do motor, mas também pela possibilidade de se comprar um carro menos completo, com tração 4X2 (só em duas rodas), ou sem sistema de distribuição eletrônica de frenagem (EBD), farol de milha ou vidros elétricos, por exemplo.
Analise gastos como o combustível (maiores na picape flex), o tipo de uso e a depreciação na hora da revenda.

Modelo menor? Atenção aos acessórios!

Deseja uma picape pequena? Preste atenção porque, além da potência e do torque do motor, os preços flutuarão também em relação aos acessórios. Avalie bem as várias opções do mercado e compare o que cada uma oferece: ar-condicionado, direção hidráulica, protetores de caçamba e capotas marítimas têm valor alto.

Se for carregar muito peso, uma suspensão com feixe de molas pode ser mais indicada. Se for carregar mais volume do que peso, molas helicoidais na traseira podem trazer mais conforto aos ocupantes da cabine.

Picape usada, cuidados extras.
Se for comprar uma picape usada, faça um check-up na suspensão antes de fechar o negócio. Verifique detalhadamente o estado das molas, amortecedores e batentes da suspensão traseira. Verifique os mesmos itens na suspensão dianteira e acrescente a verificação dos pivôs, borrachas das bandejas e terminais de direção, que são os que mais se desgastam quando se ultrapassa a carga máxima. Observe também se não há vazamentos de óleo do motor, câmbio ou caixa de direção hidráulica. Se a picape for de tamanho médio lembre-se que o preço dos pneus é significativo: pneus gastos ou deformados geram trepidações, pois não aceitam balanceamento. Para finalizar, um test-drive poderá indicar algum barulho ou anomalia que a inspeção visual não detectou, como, por exemplo, uma trinca no chassi, um ruído estranho no motor ou mesmo uma embreagem com folga.

O valor do seguro compensa?
Antes de fechar negócio, consulte o valor do seguro. O modelo do carro e o perfil do motorista podem alterar o valor da apólice em até 50%. Alguns modelos têm alto índice de roubo, o que acaba encarecendo o seguro. Opte por um valor de franquia mais baixo, principalmente dos veículos importados, que costumam ser muito caros.

Kits de manutenção também impactam.
Compare o preço dos kits de manutenção de cada marca: você vai se surpreender por encontrar diferenças de mais de 100% em óleos, filtros, pastilhas e discos de freio. Cadeado no estepe e fechadura na tampa também são importantes em relação à segurança do seu patrimônio. E precisando de mais orientações, consulte a gente. Aqui, tá sempre azul pra você! www.azulveiculos.com.br

SEGURO DE CARRO: COMO ESCOLHER PRA FICAR TUDO AZUL.

Seguro para carro não é uma opção. É essencial. Só ele garante sua tranqüilidade quando o assunto é furto, roubo, acidentes, intempéries ou mesmo auxílio mecânico. E para ficar tudo azul, confira as dicas e orientações abaixo pra ficar sempre tudo azul!

Seguro auto ou proteção veicular?

No mercado, há 2 modalidades: o seguro auto e a proteção veicular:

Seguro auto cobre proteção contra roubo, furto, colisões e muitas outras. As seguradoras normalmente fazem a cobertura de danos parciais e danos integrais, mas varia de acordo com a empresa e o seguro contratado. Danos parciais ocorrem quando reparo do veículo tem custo menor do que 75% do valor do carro. Nesta situação, o carro será consertado, com parte dos reparos sendo pagos pela seguradora. A outra parte do conserto é pago pelo consumidor, por meio da franquia do seguro. Nesta modalidade, o auto não será consertado. Em vez disso, o cliente recebe a indenização completa do seguro, para aquisição de um novo.

A indenização integral também é paga quando o veículo é roubado ou furtado, e não recuperado pela polícia. Importante salientar que as indenizações, parciais ou integrais, só são pagas se um sinistro correto acontecer.

Proteção veicular é oferecida por cooperativas ou grupos que se unem para oferecer algumas proteções para o veículo. Algumas dessas proteções têm os mesmos objetivos das opções comercializadas pelas seguradoras. A diferença é que os riscos são divididos entre os cooperados. Caso os recursos sejam insuficientes, os segurados devem arcar com as demais despesas, dividindo-as entre todos os participantes. Muitas proteções veiculares têm custos mais baixos do que um seguro auto comum. Porém, elas não oferecem garantias. Assim, vale a pena fazer um seguro.

Compare as seguradoras.

Muita gente apenas pesquisa os seguros e coberturas disponíveis, esquecendo de analisar a empresa. Por isso, é muito importante fazer um levantamento sobre a reputação da seguradora. É importante pesquisar sobre a empresa, avaliar suas redes sociais e menções no site Reclame Aqui. Também vale a pena conferir a qualidade do atendimento ao usuário.

Escolha as coberturas que precisa.

O seguro ideal para o seu perfil é aquele que abrange todas as coberturas. Faça uma análise da sua rotina: como e para quê você usa o carro? Em quais horários ele é usado? A quais riscos o veículo está mais exposto? Quais as facilidades mais adequadas ao seu perfil? Na dúvida, converse com um corretor de seguros para indicar os serviços mais vantajosos. Se o seu veículo precisa de uma cobertura, escolha esta opção. 

Do contrário, após um sinistro, você poderá arcar com um alto prejuízo (que, com a contratação da cobertura, sairia por taxa muito menor). As coberturas disponibilizadas pela maioria das seguradoras são contra:

  • Roubo;
  • Furto;
  • Colisão;
  • Incêndio;
  • Desastres naturais;
  • Danos a terceiros;
  • Queda de Raio;
  • Proteção para terceiros (Seguro de Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos — RCF-V);
  • Acidentes Pessoais de Passageiros (APP);
  • Blindagem;
  • Vidros;
  • Kit gás;
  • Carta Verde;
  • Assistência 24 horas;
  • Higienização em casos de alagamento, entre outros.

Algumas seguradoras oferecem também a assistência 24 horas como um bônus gratuito ao consumidor. Mas caso este não seja o seu caso, ainda valerá muito a pena contratá-la. Os serviços 24 horas de uma seguradora geralmente incluem guincho, atendimento mecânico, chaveiro, motorista amigo e outros.

Cuidado com as coberturas 

Tem coberturas que podem ser contratadas adicionalmente. Afinal, um seguro básico geralmente oferece apenas proteção contra furto e roubo, colisão, incêndio e queda de raio. Se você deseja um seguro mais completo, contrate coberturas extras. A maioria das seguradoras permite a personalização do seguro, garantindo que ele ofereça exatamente as proteções de que você precisa.

Contrate um carro reserva.

Se você precisa do seu carro e não pode ficar sem ele, é bom pensar em um carro reserva. Muitas seguradoras oferecem esse serviço após um sinistro. Assim, enquanto o carro é reparado na oficina, você pode contar com um veículo extra, que pode ser utilizado por até 7 dias. Se necessário, você pode solicitar a extensão desse prazo. E caso você trabalhe com o carro ou não tem outro meio de transporte, é melhor optar pelo período máximo disponível.

Escolha a franquia adequada.

A franquia do seguro é uma participação que o segurado deve pagar quando sofre um sinistro parcial. Seus custos podem ser fixos ou percentuais, conforme os danos. Há 3 tipos principais de franquia: a básica, a aumentada e a reduzida.

Cada uma é indicada para um perfil diferente de motorista e veículo. Quem tem alto risco de sofrer um sinistro pode optar por uma franquia com valor menor. Assim, não terá um grande impacto financeiro. 

Já se a pessoa possui um bom histórico ao volante, pode aumentar o valor da franquia, porque a possibilidade de ser usada é pequena e o valor do prêmio, menor.

Enquanto isso, a franquia básica define um bom equilíbrio entre o seu custo e o valor do prêmio.

Compare os valores e escolha o que mais cabe no seu bolso.

Para contratar seu seguro, o ideal é simular cotações em diferentes seguradoras. Utilize como base as coberturas necessárias ao seu veículo, e avalie bem os adicionais propostos pela empresa. Assim, com diferentes propostas, na mão, fica mais simples adquirir um seguro com custo menor. E verifique a possibilidade de parcelamento dos valores. Muitas empresas aceitam o pagamento do seguro em até 6 vezes ou mais.

Instale dispositivos de segurança no carro.

Quando o veículo tem dispositivo antifurto, rastreador e alarme, as chances de roubo ou furto são menores e por isso, as seguradoras costumam diminuir os custos do seguro nestes casos.

Por isso, economize instalando um, ou vários desses sistemas de segurança no carro antes de cotar seu seguro. Algumas empresas seguradoras também oferecem a instalação dessas proteções, além do seguro, o que é uma vantagem. E qualquer dúvida, é só consultar nossa equipe, pra ficar tudo azul!

Não troque de carro antes de ler este artigo

Como saber se chegou a hora de trocar de carro? Quando estamos há algum tempo com o mesmo veículo, é comum ter essa dúvida. Afinal, cada família tem uma necessidade diferente. Portanto o momento de trocar de carro pode variar de pessoa para pessoa. Então para te auxiliar, nós da Azul Veículos preparamos um guia completo da troca de carro para te auxiliar a fazer a melhor escolha e não se arrepender depois. Não troque de carro antes de ler este artigo!

5 sinais de que chegou a hora de trocar de carro

1- Alta quilometragem e custo de manutenção

Um dos parâmetros para saber se o carro já foi bastante utilizado ou não é a alta quilometragem. Isso porque um veículo bem rodado vai apresentar, cada vez mais, um desgaste natural das peças. E isso vai impactar diretamente no custo de manutenção do carro. 

No entanto, um veículo que esteja com todas as manutenções em dia, ainda pode ter uma longa vida útil, mesmo com uma quilometragem alta. Além disso, há também veículos cujo custo de manutenção é baixo. Por isso, é sempre ideal que você faça essa relação entre custo de manutenção e quilometragem avançada. Se o veículo estiver em bom estado de conservação, você não precisa trocá-lo agora. Porém, se a alta quilometragem começar a causar problemas é hora de pensar na troca. 

2- O veículo não atende mais às necessidades

Este é um sinal claro de que o momento da troca está próximo. Isso porque as nossas necessidades mudam o tempo todo. Às vezes você possui um veículo próprio para rodar no meio urbano e precisa fazer viagens mais longas. Ou talvez a família tenha aumentado, e o veículo antigo já não comporta mais todos os membros. Ou ainda você pode precisar de mais espaço para transportar alguns itens. Os motivos são os mais diversos! Por isso, se você identificar que o seu veículo já não atende mais às suas necessidades, chegou o momento de trocá-lo. 

3- Melhora no orçamento familiar

Quando falamos sobre a troca de carro existe também um importante fator que deve ser considerado. Muitas pessoas acabam tendo uma melhora em suas condições financeiras e desejam trocar de carro para terem mais conforto, segurança, ou mesmo para a realização de um sonho. 

A realização pessoal também é um indicativo de que o momento de trocar de carro está cada vez mais próximo. É natural que você queira um veículo que atenda melhor às suas necessidades, que seja mais novo e melhor. Então se você fez os cálculos e decidiu utilizar seu orçamento para trocar de carro, é melhor começar a procurar!

4- Desvalorização do veículo atual

Qualquer pessoa que adquire um veículo sabe que a partir do momento que pega as chaves o veículo já sofre com a desvalorização. Isso porque, quanto mais tempo você passar com o veículo, mais antigo ele fica, e os novos modelos lançados pelas montadoras acabam fazendo com que ele se desvalorize. 

Assim, uma dica importante é sempre acompanhar o mercado automotivo para saber quanto seu veículo atual vale no mercado. Alguns carros podem desvalorizar mais rapidamente que outros. Por isso, essa dica é importante também para te auxiliar na escolha do próximo veículo. Afinal, um carro é um patrimônio, e ninguém gosta de perder dinheiro, não é mesmo? 

5- Insatisfação com o veículo atual

Não é incomum encontrar pessoas insatisfeitas com o atual veículo. Os motivos são os mais variados: alto consumo de combustíveis, falta de peças para manutenção, aumento no valor do seguro, pequenos problemas que surgem com frequência etc. Todos esses desgastes podem levar ao fim do relacionamento entre o consumidor e a marca. E claro, é sinal de que chegou a hora de trocar de carro. 

Acerte na escolha!

Se você chegou até aqui e concluiu que este é o momento ideal para trocar de carro, então aproveite nossas dicas para acertar na escolha!

Defina o tipo de carro: Observe quais são suas necessidades antes de optar por um compacto, sedan, SUV, utilitário, etc. Essa é uma boa oportunidade para escolher um tipo de carro que atenda melhor às suas necessidades. 

Faça os cálculos: Não basta analisar o custo-benefício do seu próximo veículo. É importante calcular todos os gastos com impostos, combustível, seguro e outros antes de fazer a troca. E não se esqueça de verificar se o novo carro cabe no seu orçamento sem deixá-lo apertado!

Pesquise o melhor lugar para fazer a troca: Aqui na Azul Veículos, nós aceitamos o seu veículo usado como parte do pagamento. Se você procura praticidade e conforto na hora de trocar de carro, aqui é o melhor lugar. Oferecemos um preço justo, de acordo com a avaliação do seu veículo, e temos inúmeras opções de seminovos com procedência para você fazer um bom negócio. Faça uma visita a uma de nossas lojas e avalie seu veículo sem compromisso. Vamos te ajudar a fazer a escolha certa!

Documentação para compra e venda de veículos

Quando pensamos na compra e venda de veículos, uma dúvida muito comum é sobre toda documentação necessária para fechar negócio. Mais que isso, também é necessário se atentar a detalhes para ter certeza de que a documentação é válida e está em dia. Por isso a Azul Veículos facilita a sua vida e te dá todas as dicas sobre a documentação para compra e venda de veículos. Então vamos conferir?

Cuidados especiais na compra de veículos seminovos

Primeiramente, antes de falarmos sobre a documentação, alguns cuidados são necessários na hora de adquirir um veículo seminovo. Nesse sentido, o recomendado é solicitar o número do Renavam e verificar junto ao Detran se o automóvel possui alguma pendência ou dívida, como impostos atrasados, multas ou bloqueios que impedem a transferência. Esse procedimento é fundamental para garantir a compra de um veículo com boa procedência e não ter problemas depois. 

Outra dica importante é checar se o número do chassi é o mesmo em todas as partes do carro para evitar cair em qualquer tipo de fraude ou comprar um veículo adulterado. 

Além disso, o comprador também deve verificar se o veículo ainda possui parcelas em aberto do financiamento. Afinal, é uma situação muito comum a dos proprietários que vendem seus veículos antes da quitação. Isso não é impeditivo para adquirir o veículo, porém é importante saber se existem parcelas a pagar antes de iniciar a negociação e elas devem ser quitadas para que o carro possa ser transferido ao comprador.

Documentação para compra e venda de veículos

Depois de checar todas essas informações e se certificar de que o veículo não possui nenhum fator impeditivo para a aquisição é hora de separar a documentação, tanto do vendedor quanto do comprador. A documentação para compra e venda de veículos usados é basicamente a mesma que a solicitada para aquisição de veículos 0km. Então separe os seguintes documentos:

  • CNH ou RG e CPF tanto do comprador como do vendedor;
  • Certificado de Registro do Veículo (CRV);
  • Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV-e);
  • Formulário do Renavam (disponível no site do Detran) quando há alguma modificação no veículo;
  • Comprovante de endereço do comprador.

Atenção: Desde maio de 2020, o licenciamento passou a ser digital. Também desde janeiro de 2021, o CRLV-e passou a valer como Certificado de Registro do Veículo (CRV) e Certificado de Licenciamento Anual (CLA). Portanto, ao reunir a documentação para a venda do veículo, verifique se o CRV é físico (documento verde) ou se já está disponível no digital

Orientações para fechar um bom negócio

Antes de comprar um veículo seminovo, atente-se a alguns pontos importantes: 

  • Desconfie de preços muito abaixo do mercado. Consulte sempre a tabela Fipe para saber quanto custa o veículo que pretende adquirir ou vender. 
  • Após comunicar a venda ao cartório, fique com uma cópia autenticada do CRV com os dados do comprador e assinado por ele. 
  • Atente-se ao prazo para a transferência de propriedade do veículo, que deve ser feita em até 30 dias corridos. Após esse prazo o novo dono receberá uma multa e perderá cinco pontos na CNH. 

Adquira seu seminovo com procedência na Azul Veículos. Confie na experiência de quem trabalha para oferecer o veículo ideal com as melhores condições. Nós cuidamos de todo o procedimento para compra e venda de veículos com segurança para ambas as partes , pois contamos com um despachante interno para te auxiliar na compra do seu veículo. Então faça uma visita ao nosso showroom!

Opcionais: em quais vale a pena investir?

Confira esta leitura obrigatória.

Você ama carros e a primeira coisa que faz quando adquire um novo, é ter aquele impulso de correr atrás de acessórios. Mas aí que vem a questão: será um bom negócio, já que os acessórios não vão ser valorizados em geral na revenda? Ou então, vale a pena tirar da concessionária com estes “upgrades” ou comprar na versão básica e instalar os acessórios (opcionais) depois? Bom, isso depende também do perfil do comprador. Mas em uma análise básica, aqui vai uma relação de opcionais e sua viabilidade ou não.

Direção assistida (hidráulica ou elétrica)

Disparado, o equipamento mais pedido pelo consumidor. Quem só conhece carros com direção sem assistência (seja ela hidráulica ou elétrica) pode pensar que é frescura. Mas basta uma voltinha com um carro equipado que tem este “plus” para nunca mais querer voltar para o trabalho braçal do carro sem direção assistida. Revender um carro assim, só com um bom desconto. Afinal, o interessado pode conseguir algo similar e mais equipado pelo mesmo preço.

Ar-condicionado

Há alguns anos, o ar-condicionado era raro em carros de entrada. Mas hoje só passa calor quem quer. Por outro lado, na hora de revender, o valor a mais que a loja pode dar com o opcional é irris[ório em relação ao que você investiu.

Trio elétrico

O famoso trio é composto pelo conjunto de vidros, travas e retrovisores elétricos. Todos, indiscutivelmente, úteis no dia-a-dia. Porém, agregam pouco no valor ao carro. É sempre melhor comprar um que já venha instalado de fábrica. Mas um bom modelo de entrada sem esses equipamentos não deve ser desprezado. Diferentemente da direção hidráulica e do ar-condicionado (caros e complexos), o trio é barato e pode ser instalado depois da compra do carro, sem grandes adaptações. De qualquer forma, é bem procurado no mercado de carros usados.

Central multimídia

Muitos não abrem mão de um sistema de som moderno, mas é um dos opcionais que não vale a pena nem retirar da concessionária instalado, nem quando for revender, porque agrega pouquíssimo valor.

Banco de couro

O banco de couro (ou sintético, na maioria das vezes) tem tido cada vez mais consumidores, que não aceitam mais sentar em bancos de tecido. A principal vantagem é a limpeza. Infelizmente tenho visto couros de baixa qualidade, que mais parecem os antigos estofamentos de vinil. Assim como o sistema de som, pode ser fator decisivo na revenda sim, mesmo contra minha vontade, já que prefiro um bom e confortável tecido aveludado.

Equipamentos de segurança

Nosso mercado está amadurecendo nesse quesito, mas em passos lentos. Em países de primeiro mundo, há tempos os carros são equipados com airbags, freios ABS e controles eletrônicos de estabilidade e tração.

Itens que são essenciais, e que por isso, agregam muito. Afinal, segurança não tem preço. Na revenda, há uma boa aceitação de carros que têm este “upgrade”, principalmente quando quem vai adquirir é o perfil família.

Transmissão automática

Algumas categorias são “obrigadas” a ter câmbio automático. Sedãs médios e SUVs com câmbio manual são raros e ruins de revenda. Se você é daqueles que não gosta de perder muito dinheiro na venda, saiba que essa é uma tendência irreversível. E cada vez mais o consumidor quer se livrar do pedal de embreagem.

Teto solar

Acontece algo curioso no mercado de carros usados: se o consumidor se decide por um modelo com teto solar, ele não quer saber de versões sem esse opcional. O VW Golf, por exemplo, e tantos outros modelos como Jetta, Fusion, Azera e outros, sofrem com isso. Como o preço de tabela é o mesmo para as versões, quem tem teto solar não tem esse item valorizado e agregado ao valor final.

Lavagem e higienização do seu carro:

Como dar um toque profissional.

Comece pelas preliminares.

Para uma higienização automotiva perfeita é preciso alguns truques preliminares que facilitam o trabalho e evitam que tudo vá por água abaixo. Em primeiro lugar, tire o carro do sol. Além de evitar o desconforto de lidar com um automóvel quente na hora da limpeza, essa medida ainda ajuda na conservação da pintura (que pode ser danificada se a lavagem for iniciada com a lataria quente).

Em seguida, enquanto o carro esfria, organize suas tarefas, sem bagunça. Deixe disponíveis todos os equipamentos necessários, facilitando o acesso, como mangueira, aspirador, panos, escovas e baldes, entre outros. Ao mesmo tempo, organize tudo em uma caixa, deixando-os sempre à mão. 

Utilize produtos adequados para a limpeza, porque sabão e detergente comuns podem causar danos como manchas na pintura, tirando o brilho da cor do veículo e das forrações. E também use esponjas e panos apropriados, para evitar qualquer tipo de risco na lataria. E, finalmente, retire pulseiras e anéis para impedir que danifiquem a pintura e os tecidos do veículo, além de evitar qualquer risco de ferimentos.

Lave a parte externa seguindo uma ordem de sequência.

Com o veículo frio, procure lavá-lo seguindo uma sequência lógica. Primeiro, o teto, porque assim a sujeira desce para onde ainda não foi limpo. Depois, você pode ir para a parte dianteira, lavando em seguida a parte traseira e as laterais. Deixe os pneus e as rodas por último. Assim, você elimina a sujeira de cima para baixo, evitando que ela volte para peças já lavadas.

Use mais o balde que a mangueira.

Você economiza muito!

Prefira o uso de baldes na lavagem do seu veículo, reservando a mangueira apenas para a sujeira mais pesada. Dessa forma, você consegue evitar que o local onde está trabalhando fique excessivamente molhado, ao mesmo tempo em que economiza água.

Em um balde, portanto, faça a diluição correta do produto de limpeza automotiva de sua preferência — basta seguir as instruções indicadas no rótulo. Com a esponja, espalhe a solução pela lataria, esfregando suavemente e concentrando um esforço maior onde houver sujeira incrustada. Em seguida, use outro balde, agora com água limpa, para o enxágue.

Concluída a lavagem externa, seque a lataria com um pano macio, preferencialmente de microfibra, que é o material apropriado para essa finalidade. Se quiser dar um toque a mais de capricho, finalize com a aplicação de uma camada de cera, que também deve ser removida com um pano macio. Ao terminar essa etapa, é hora de partir para a limpeza interna.

Aspire todos os cantinhos.

Antes de começar a limpeza interna, retire todos os objetos de dentro do carro, além de resíduos e tapetes, que precisam ser lavados externamente com água e sabão e só devem ser recolocados no veículo depois de bem secos. Em seguida, capriche no uso do aspirador, buscando alcançar todas as frestas. Em geral, os aspiradores de pó contam com acessórios que facilitam essa tarefa.

Se você combinar o uso de uma escova macia nos bancos e nas forrações internas com a aspiração, melhor ainda. E os mesmos cuidados que você adotar na limpeza da cabine do veículo repita no porta-malas.

Procure manchas e sujeira acumuladas.

Após a limpeza com o aspirador de pó, procure por manchas nos bancos, nos forros das laterais e do teto, além de sujeiras que possam ter se acumulado em frestas e cantinhos mais inacessíveis. Para as manchas, tem produtos em spray que facilitam bastante a remoção e evitam que você danifique os tecidos com receitas caseiras ou produtos inadequados. A sujeira acumulada naqueles pontos em que o acesso é mais difícil pode ser removida com escovas e pincéis.

É importante salientar que o uso de água na limpeza interna do veículo deve ser evitado ao máximo, uma vez que a secagem é mais demorada em ambientes fechados. E você não quer provocar mofo e cheiros indesejáveis no seu carro. Muito pelo contrário. Portanto, só produtos adequados e panos umedecidos.

Agora, os painéis.

Os painéis dos veículos merecem atenção especial porque ficam expostos ao sol e ao acúmulo de sujeira. Além disso, como são muito visíveis, é importante que eles fiquem tão limpos quanto a lataria. Para chegar a um bom resultado, você pode iniciar a limpeza do painel com um pano seco, retirando a poeira mais superficial. Em seguida, remova a sujeira mais pesada com um pano úmido. Não se esqueça de limpar o porta-luvas e os porta-objetos com o mesmo cuidado.

Mais uma vez, vale destacar que o uso de sabão e detergente convencionais pode provocar manchas no material dos painéis. Portanto, evite-os. Você pode fazer um acabamento na limpeza do painel com silicone líquido, que dará um aspecto de novo às superfícies.

Limpe os vidros com os produtos certos.

A limpeza dos vidros na parte externa pode ser feita junto com a lavagem da lataria. Porém, se houver manchas ou sujeira acumulada, tenha um cuidado especial tanto na limpeza externa quanto interna.

Na parte interna, faça a limpeza superficial utilizando um pano macio para retirar a poeira e o excesso de oleosidade. Em seguida, aplique um limpa-vidros apropriado, seguindo as instruções da embalagem. Se houver necessidade, você pode aplicar o produto também na parte externa.

Atenção! Limpe um vidro de cada vez, para maior eficiência no processo. 

Na higienização interna, prefira produtos anti-embaçantes em dias de chuva ou no uso do ar-condicionado.

O que se deve levar em conta na escolha de um carro para toda a família?

1. Tamanho

Não só em relação a lugares, mas também que tenha o espaço ideal para cada pessoa em termos de ergonomia. Ou seja, segurança e conforto. Um carro, por exemplo, que tenha 2,65m entre eixos (a distância entre as rodas dianteiras e traseiras) terá 1,325m de espaço para o motorista e a mesma quantidade para os passageiros do banco traseiro.

Já um carro com 3,75m entre eixos e 7 lugares (2 filas de 3 lugares mais o passageiro ao lado do motorista) pode levar mais pessoas, mas cada uma terá menos espaço para as suas pernas (média de 1,25m para cada). Ou seja: o primeiro carro leva menos gente, mas as pessoas têm mais espaço, sendo ideal para quem tem filhos adolescentes ou jovens. Sendo assim, é importante ter em mente a relação entre o tamanho e o número de lugares dentro do carro.

2. Consumo

É o vilão do momento, ainda mais com o combustível com preço nas alturas. Ou seja, o consumo do seu carro é essencial para a saúde financeira. Assim, quando for escolher um carro para a família, opte pelo modelo que fizer mais quilômetros por litro. Assim, você gastará menos quando for para o trabalho ou ao levar as crianças à escola, ao curso, ao shopping e tantos outros deslocamentos.

3. Índice de Manutenção Veicular

Além do custo com o combustível, tem outra despesa que você deve ter em mente quando for escolher um carro para a sua família: o Índice de Manutenção Veicular (IMV). Esse índice classifica os carros pelo seu custo de manutenção numa escala de 10 a 60, sendo 10 o mais barato e 60 o mais caro. Por isso, quando for avaliar o custo financeiro de cada carro, leve o IMV em consideração. Em muitos casos, um carro com investimento inicial maior pode ter uma despesa de manutenção menor no longo prazo.

4. Conforto e segurança

Um dos aspectos mais importantes a considerar em relação aos carros para família é a segurança e o conforto das pessoas. Opte por um modelo que não se limite aos itens de série de segurança obrigatórios, mas que tenha opcionais úteis, como o sistema de controle de estabilidade, freios ABS e airbags laterais. 

Além disso, tenha em mente o conforto da sua família dentro do carro, o espaço para as pernas, acabamento dos bancos e ar-condicionado.

5. Outros itens de série.

Se você e a sua família gostam de viajar bastante de carro, de um estado para outro, é importante focar em TV, rádio e pontos para carregar celulares e tablets.

Já para o uso constante dentro da cidade, pode ser útil um carro que tenha uma central multimídia com GPS. Se você morar em um apartamento com garagem estreita, pode se beneficiar de um sistema de estacionamento automático.

Os itens essenciais para o seu carro ideal vão depender do uso que você e a sua família darão para ele. Portanto, pense bem no que é importante para facilitar a sua vida antes de se decidir.

6. Potência do motor.

Normalmente, a potência do motor é um dos aspectos mais valorizados de um carro, mas ela fica em segundo plano no caso de um automóvel para a família.

É claro que o motor precisa ser potente o suficiente para encarar todos os tipos de situação (desde as ladeiras da cidade até as estradas de terra de uma viagem ao interior). Um carro com potência de 110 ou 120 cavalos já é o suficiente.

Quais os melhores tipos de carros para a família no mercado?

Tem modelos de todos os tipos: compactos, utilitários, esportivos, picapes, off-road, mas nem todos são adequados para uma família em crescimento. Por exemplo, os compactos e subcompactos são mais baratos, mas não contam com os itens de série, a potência ou o espaço necessário para uma família com 2 filhos. Confira abaixo os melhores modelos de carros para a família.

Sedãs

É a escolha mais popular para famílias, porque oferece uma variedade de opções. 

O sedã entrega mais espaço interno, um porta-malas maior, motor com potência acima dos 100 cavalos e um leque de opções no mercado mais amplo. Além disso, são os carros para família com menor investimento inicial em média, além de menor IMV.

Minivans

São carros maiores que o padrão do mercado e com mais lugares, normalmente levando de 5 a 7 pessoas, dependendo da configuração dos lugares. Elas são indicadas para famílias numerosas (mais de 5 pessoas) pois levam mais pessoas, têm um aproveitamento melhor do espaço interno e bom consumo de combustível.

SUVs

Os utilitários (também chamados de SUVs) são os carros para quem busca mais potência, conforto e segurança. São caracterizados pela carroceria alta e robusta, além de mais itens de segurança, bagageiro maior e motor mais potente.

Elétricos

Uma tendência atual e do futuro são os carros elétricos. Normalmente utilitários (mas também com versões esportivas), os elétricos se destacam pela economia de combustível e sustentabilidade. Em contrapartida, ainda há uma rede pequena de postos de abastecimento no Brasil, o que limita as viagens de longa distância.

Assim, cada tipo de carro é mais indicado para uma família diferente. Quem precisa transportar muita gente, tem as minivans. Já quem prefere um carro mais robusto, seguro, potente e confortável, escolhe uma SUV. Os sedãs são as opções mais versáteis e baratas, enquanto os elétricos são econômicos, mas com pouca estrutura no momento. E para escolher o modelo ideal, passe em uma das nossas lojas, mais perto de você e venha conhecer os modelos, fazer um test-drive e fechar negócio com vantagens tamanho família!

Carro novo ou seminovo: qual é a melhor escolha?

Pensando em comprar um carro novo ou usado dos seus sonhos? Fica sempre a dúvida e a gente está aqui pra que você decida pelo melhor. Mas como se faz uma decisão dessas? O que devemos levar em conta na hora de escolher entre as duas opções? A seguir, alguns passos para você tomar a decisão certa.

Veja quanto você dará de entrada e nas parcelas do financiamento

Um dos mais importantes passos é o valor que você terá de pagar pelo carro que deseja. Afinal, precisamos ser realistas e entender qual é a faixa de preço que é possível pagar sem se complicar financeiramente. E aí vem mais uma dúvida: à vista ou financiado. O que é mais vantajoso?

O primeiro passo para decidir se você comprará um carro novo ou usado é determinar o valor que você pode pagar pelo automóvel. No caso de financiamento, não assume nenhuma parcela maior do que 30% da sua renda mensal. 

Considere os gastos mensais com o veículo

Você não deve levar em conta apenas o preço do carro e as parcelas do financiamento ao decidir entre comprar um carro novo ou usado. Existem outros gastos que devem ser considerados.

O primeiro deles é o da manutenção preventiva. Cada modelo de carro tem um custo específico de revisão, que é calculado com base na dificuldade mecânica do automóvel, na facilidade de encontrar uma revisão e no preço das peças de substituição.

Normalmente, o seminovo tem custo de manutenção um pouco maior, porque a revisão dos sistemas e das peças devem ser feitas a partir de determinados quilômetros. Por exemplo, depois de andar 20 mil quilômetros, é recomendado trocar o filtro do motor do automóvel. Quanto mais o carro andar, mais ele precisará trocar as suas peças.

Leve em conta também os “custos escondidos” dos carros

Além do valor da entrada, das parcelas do financiamento e da revisão do carro, é importante também levar em conta os “custos escondidos”: impostos, licenciamento e desvalorização. Assim que o seu carro novo sai da concessionária, ele começa a perder valor. Em média, um automóvel perde de 10 a 20% de valor no seu primeiro ano. 

Já os carros usados costumam desvalorizar menos, pois já perderam a maior parte do seu valor nos primeiros anos de uso. Outro gasto a se levar em conta é o IPVA. 

Que tipo de carro você quer?

Escolher entre um carro novo ou usado não é só ujma questão de lógica. Envolve principalmente suas emoções, seu estilo. E também a conveniência. Se é para passeio ou cidade, pra família toda ou só pra curtir com a namorada. Isso é tão importante quanto ver o preço ou outros gastos. Por isso, procure por modelos que correspondam à sua necessidade e use os filtros financeiros apenas para ver qual desses carros caberá no seu bolso.

Confiabilidade na compra: outro detalhe importante.

Muitas pessoas pensam em comprar carro usado com um conhecido, numa dessas Feiras ou de algum particular na Internet. Isso normalmente não é uma boa ideia. O ideal é uma concessionária ou rede de lojas idôneas. O segredo para escolher entre um carro novo ou usado, no fim das contas, é encontrar o equilíbrio entre o dinheiro, seu estilo de vida, as vantagens e desvantagens e aquilo que o seu coração quer conquistar. E conte com a gente pra tudo ficar azul em sua decisão.

Vai viajar no Carnaval?

Siga as dicas que são nota 10 no quesito segurança.

Com a chegada do feriadão de Carnaval, o volume de veículos nas estradas aumenta, e com ele, o índice de acidentes nas rodovias também. E para garantir uma viagem sem preocupações, listamos aqui as dicas que a Polícia Rodoviária Federal dá para os motoristas.

Os motoristas devem ficar atentos aos equipamentos obrigatórios do veículo e para que as documentações necessárias estejam em dia, como a CNH e documento do carro, além do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV). Ambos podem ser físicos ou digitais (aplicativo Detran Digital ou Portal de Serviços do Detran.

Planeje o trajeto com antecedência.

Além de realizar a revisão do veículo, é fundamental o condutor planejar o trajeto até o destino final. Pausas para descansar também são essenciais.

O motorista também precisa ficar atento neste período chuvoso de verão e se manter informado sobre a situação da região para a qual vai viajar, a condição das estradas e interdições.Obedecer a sinalização e não fazer ultrapassagens arriscadas são também muito importantes.

Cuidados antes de pegar a estrada:

  • Certifique que o carro esteja revisado, principalmente em relação aos freios e suspensão;
  • Verifique a existência dos equipamentos obrigatórios como estepe, triângulo e “macaco”;
  • Não consuma bebidas alcoólicas antes da viagem;
  • Esteja descansado e durma bem na noite anterior;
  • Teste faróis, limpadores de pára-brisas e luzes traseiras;
  • Ajuste sua posição de condução de maneira correta e verifique se todos estão com cinto de segurança e com seus documentos de identidade.

Cuidados durante a viagem:

  • Atenção e respeito com a sinalização de trânsito;
  • Atenção para dias chuvosos, reduza a velocidade, acenda os faróis, mantenha distância segura do veículo da frente e se não tiver visibilidade da via procure um local seguro fora da pista;
  • Atenção total a via, não mexa no celular ou faça movimentos que tire seu foco da rodovia;
  • Não faça ultrapassagens proibidas.

Situações de emergência: o que fazer?

A PRF e o Detran recomendam aos motoristas que tenham sempre em mãos um número de socorro, em caso de situações de emergência e anotem o telefone de atendimento das concessionárias por onde passar.

Números úteis em caso de emergência:

  • 190Polícia Militar: recebe informações de acidentes, furto, roubo, entre outros.
  • 191Polícia Rodoviária Federal: fiscaliza rodovias e estradas federais, é possível alertar sobre ocorrências, acidentes, crimes, por exemplo.
  • 192Samu: serviço médico brasileiro para casos de emergência.
  • 193Corpo de Bombeiros: atendem a incêndios, acidentes gerais e com animais, vazamentos de gás, produtos químicos, alagamentos e queimadas.
  • 198Polícia Rodoviária Estadual: pedidos de socorro e reclamações.
  • 199Defesa Civil: socorre, assiste e ajuda na recuperação da população em caso de desastres, sejam chuvas ou outras situações de risco.
  • 180Central de atendimento à mulher: criado para dar mais informações sobre direitos femininos e apoio psicológico a mulheres em situação de violência, além de receber denúncias específicas sobre cárcere privado e tráfico de mulheres.
  • 100Direitos Humanos: para denúncias contra violência, abuso sexual, agressões físicas e/ou psicológicas cometidas contra crianças e adolescentes, denúncias de pessoas em situação de rua, da população LGBT, de pessoas com deficiência e idosos.

Seguindo todas estas orientações, com certeza sua viagem vai ter um final feliz e trazer só ótimas recordações. Afinal, nossa missão é fazer com que fique tudo azul para você.

Dicas para comprar seu seminovo com segurança.

Comprar um carro usado não é uma tarefa tão fácil. Decidir a marca e o modelo, verificar com antecedência uma série de itens e conferir documentação antes de fechar negócio. Por isso, aqui vão algumas dicas essenciais para não comprar “gato por lebre”.

Quilometragem adulterada.

Esse é um dos pontos básicos a se verificar quando se trata de compra e venda de carros seminovos. E adulterar o odômetro, colocando uma quilometragem muito menor do que a real para valorizar a oferta, infelizmente é uma prática comum no mercado. Se você encontrar uma oferta com fortes evidências de que o hodômetro foi adulterado, desista da negociação imediatamente.

Descobrir essa fraude não é fácil, mas existem algumas maneiras para identificar se há alguma alteração na quilometragem.

Verifique o manual do proprietário e consulte o histórico de revisões. Se o número indicado no painel estiver abaixo do que os intervalos das revisões, significa que o equipamento pode ter sido adulterado.

Outro truque  para identificar alteração no km é verificar o estado de conservação do volante, manopla do câmbio e pedais. Com o tempo, esses componentes se desgastam e os sinais são visíveis. Assim, dá pra ter uma ideia se o veículo é muito ou pouco rodado.

Bloqueio judicial

Se o veículo que você estiver negociando tiver registro de bloqueio judicial, é melhor desistir da negociação, devido aos inúmeros gastos e processos burocráticos e até casos em que não é nem possível regularizar o automóvel. 

Felizmente, tem jeito de identificar: vistoria cautelar, por exemplo. Tem custo, mas avalia diversos itens do veículo em busca de sinais de fraude. Checar se há registro de roubo, sinistro, leilão, furto e bloqueio judicial. Além disso, verifica partes do carro, como longarinas, painel dianteiro, laterais e teto para saber se foram alvos de reparos.

Todas essas informações, incluindo imagens, são reunidas em um laudo e atestam as reais condições do automóvel. Vale a pena investir nesse serviço.

Chassi raspado

É ilegal modificar o número de série do carro. Qualquer tipo de alteração no número do chassi, do câmbio, do motor ou dos vidros, bem como não ter a etiqueta de identificação, são sinais de que tem algo errado com o carro. 

A vistoria cautelar, como a gente falou acima, também consegue identificar qualquer tipo de fraude em relação ao número de série do carro. É importante salientar que qualquer modificação no chassi é um forte indício de que o carro é clonado ou roubado. Verifique e, se encontrar essa situação, desista imediatamente do negócio.

Carroceria desalinhada

A vistoria cautelar também é indicada para identificar se o veículo foi batido, mas existem outras formas também.

A primeira providência é procurar um funileiro de confiança para avaliar o carro pelo tom da pintura recondicionada da original. Além disso, as cabeças dos parafusos vão apresentar marcas, sinal de que houve desmontagem e de que houve troca de componentes.

Seguindo as dicas acima você com certeza não será enganado na hora de comprar um carro seminovo. Afinal, o que é um sonho pode se transformar em um pesadelo. Conte com a gente para tudo o que precisar. Em nossas lojas, está sempre tudo azul pra você.